O corpo no movimento de criação

Este trabalho é um corpo de pensamento filosófico e poético de carácter pessoal, que tem o intuito de ir desvendando temas do corpo, da percepção, do tempo, do movimento e do ato de criação.

Seguindo uma linha evolutiva que interliga estes e outros temas, tem como base uma pesquisa académica que recorre a conceitos desenvolvidos por outros pensadores (Bergson, Deleuze e José Gil) e que forma uma matéria de interesse a artistas, bailarinos, pensadores, poetas e criadores que estão imediatamente envolvidos no contexto artístico, mas também a todos aqueles que são potenciais criadores e agentes de vida, ou seja todos aqueles que têm um corpo pensante e atuante – e isso é inerente a todos os seres humanos.
Há uma unidade que nos une enquanto seres.
Comunica um momento aberto, sem pretender ser conclusivo e onde se deixa que as sensações e emoções que nele surgem estejam presentes e comuniquem o corpo, o pensar, o agir e o que está por vir. A vida cria e nela estamos constantemente numa reinvenção de nós próprios e numa busca de aumentar as nossas potências de agir.

De uma forma livre e quase espontânea, simples e acessível, é uma breve viagem que pretende mostrar que quem habita um corpo está em constante movimento de criação.

Editora Appris
2019

15€ + 2€ portes de envio


SábiaMar

Sábiamar era uma velha menina mulher que vivia à beira mar, e era nesse lugar à beira mar que ela fazia tudo o que queria ao longo do dia e onde à noite ia descansar. Vivia tranquilamente e sentia algo diferente a cada momento.

Tudo era simples e natural.

Todos acreditavam que ela era uma sábia – uma sábia que tinha nascido no mar.

E todos que lerem este conto ou a forem visitar à beira mar com certeza irão passear com a sua própria criança interior, de alma livre, e assim na simplicidade da natureza e da brisa do mar irão se encantar pela Sábiamar.

Edição de autor
2020

16€ + 2€ portes de envio

Versão portuguesa e inglesa disponível


Poemas para o coração das montanhas

Dentro de cada um de nós existem poemas.

Em cada acto, gesto ou toque que se permite que a sensibilidade e a intimidade da troca estejam presentes, algo de sagrado acontece.
A pele e a palavra comunicam o interior e o exterior.
Todos temos pele, palavra, toque e coração. Assim como a sensibilidade e a força das montanhas, segurando a sabedoria desta terra viva.
Em presença e amor, nos movimentos da Natureza.

Há mãos que guardam na pele poemas. 
Porque onde a Natureza se manifesta é a forma onde a alma troca.

22 poemas

Edição de autor, todo feito à mão
2016


NA COMPRA: INDICAR NOME DO LIVRO + MORADA