Suporte contínuo de ajuda à mulher no processo de gestar, parir e maternar.

Nos dias de hoje, ser Doula aplica-se às mulheres que dão suporte físico, emocional, afetivo e informativo a outras mulheres durante o processo gestacional, parto e pós-parto.

Sendo o parto um evento pleno de significado de vida e compreendendo o seu processo fisiológico e multi-dimensional, sabemos que este é um momento de importância vital para a mulher onde a doula se encarregará de ser uma auxiliar na evolução do trabalho de parto, no parto e na sua recuperação, já que a sua presença beneficia a mulher dando-lhe apoio, encorajamento, segurança, confiança e afeto.

Ter um suporte contínuo leva a benefícios tais como: aumento de partos vaginais espontâneos, redução da necessidade de anestesia, redução do número de mulheres com sentimentos negativos em relação ao parto, redução do número de cesarianas, redução do tempo do trabalho de parto, entre outros.

Antigamente a parturiente era acompanhada durante a gestação, no parto e nas primeiras semanas de vida do bebé por mulheres mais experientes, havia naturalmente uma energia feminina calorosa e o nascimento era um evento que envolvia a comunidade. Conforme o parto foi passando para a esfera médica e as nossas famílias ficando menores, foi-se perdendo esse contato. Dentro de hospitais e maternidades a assistência passou para as mãos de uma equipe especializada: o médico obstetra, a enfermeira obstétrica, a auxiliar de enfermagem e o pediatra, cada um com a sua função definida. Apesar de toda a especialização, quem cuida especificamente da mãe que está a dar à luz? Esse lugar pode e deve ser preenchido pela doula e pelo acompanhante do parto. O ambiente impessoal dos hospitais (de uma forma generalizada) num momento tão íntimo da mulher tende a aumentar a tensão, o medo, a solidão, a dor, a insegurança, a desinformação e a ansiedade – sentimentos maternos indesejáveis no momento de dar à luz.

Acompanhante Doula Profissional de Sáude
Suporte contínuo SIM SIM NÃO
Sem envolvimento emocional NÃO SIM SIM
Conhecimento de fisiologia NÃO SIM SIM
A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece atualmente a importância da contribuição da doula como uma presença que propicia maior tranquilidade à gestante, assegurando que o processo do parto evolua com maior fluidez, com menos dor e complicações. A participação da doula no parto é também considerada facilitadora da vinculação entre mãe e bebé nas primeiras horas após o parto.

O que a doula faz?

Antes do parto orienta o casal sobre o que esperar do parto e pós-parto. Explica os procedimentos comuns, dá apoio informativo sobre os benefícios do parto natural, sobre os direitos da mulher, esclarece sobre a fisiologia do parto e tira dúvidas em geral. Ajuda a mulher a preparar-se física e emocionalmente para o parto, de variadas formas. É estabelecido um vínculo entre doula e gestante, para que através desta ligação a mulher se sinta segura para mergulhar profundamente no contato com o seu corpo.

Durante o parto a doula cuida da individualidade e do espaço da mulher. Ela funciona como ponte entre a equipa médica e o casal, facilitando a comunicação e aumentando as chances de um parto mais satisfatório e próximo do desejo da mulher. Ela ajuda a parturiente a encontrar posições confortáveis no trabalho de parto e parto, mostra formas eficientes de respiração e propõe medidas naturais para aliviar as dores e relaxar, além de ser uma presença amiga que dá segurança, confiança e a tranquiliza. Ela preserva a singularidade da mulher cuidando do ambiente, da sua privacidade e vulnerabilidade. A doula age em favor da mulher. 

Após o parto a doula faz visitas à nova família oferecendo apoio para o período de pós-parto, especialmente atendendo a amamentação, o corpo da mulher e os cuidados com o bebé. Facilita o processo de integração do parto e a adaptação da mulher à nova dimensão que a sua vida ganhou.

A doula e o pai ou acompanhante

A doula não substitui o pai (ou o acompanhante escolhido pela mulher) durante o trabalho de parto e parto, pois a sua presença é única. O pai muitas vezes não sabe bem como se comportar naquele momento, o que está a acontecer nem o que fazer. Eventualmente o pai sente-se preocupado em atrapalhar a sua companheira. A doula vai ajudá-lo a estar presente, informado, a confortar a mulher e a prestar todo o apoio necessário.

O que a doula não faz?

A doula não executa qualquer procedimento médico, não faz exames e não cuida da saúde do recém-nascido. Ela não substitui qualquer dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto e não discute procedimentos com a equipe ou questiona decisões.

Um nascimento humanizado, respeitado e informado é um direito do ser humano.

Porque mulheres servem mulheres.
Porque cada mulher é um universo.
Porque mulheres gostam de partilhar estados de graça.
Porque quero apoiar, acolher, estar, dar e receber.
Porque sou mulher.

Acredito que o parto é um evento pleno de significado na vida, no corpo, na mulher, na mudança, na humanidade e na criação.

Compreendendo o seu processo fisiológico e multidimensional, sinto que é uma integração do campo físico, psicológico, afectivo, sexual e espiritual do ser – e por isso cheio de sabedoria.
Admiro profundamente todos os processos interiores femininos e ser doula dá-me a capacidade de melhor acompanhar e apoiar outras mulheres.

Faz muito sentido para mim poder ajudá-las a confiarem nelas mesmas, no seu instinto, na sua força e na sua capacidade inata de gerar e criar um novo ser.
O suporte contínuo durante a gestação, parto, pós-parto e perdas gestacionais que ajuda a mulher a estar atenta a si, integrando todos os processos com amor, faz da doula um elemento importante na fluidez de todo o processo.

Um nascimento humanizado, respeitado e informado é um direito do ser humano.

Enquanto Doula:

Preparação individual para o parto (presencial e online)
Aconselhamento na elaboração do plano de parto
Acompanhamento durante o parto hospitalar ou domiciliar
Acompanhamento pós-parto (a domicílio e online)
Aconselhamento na amamentação e cuidados com o bebé
Realização de Ritual de pós-parto/fechamento dos ossos
Acompanhamento de perdas gestacionais

E também:
Massagem de Rebozo
Massagem Ayurvedica Abhyanga de relaxamento
Trabalho de consciência corporal
Fotografia de Parto

 

Sou doula formada pelo GAMA – Grupo de Apoio à Maternidade Ativa – no Brasil. Frequentei o curso “A Natureza Da Vida: Técnicas tradicionais na gravidez, parto e pós-parto” ministrado por Naoli Vinaver, parteira tradicional e CPM. E sou doula de pós-parto formada pela Materlua, em Portugal. 

Idiomas: português, inglês e espanhol

Estou feliz por me encontrar contigo, de coração a coração.

Testemunhos

Eu em geral desejaria a todas as mulheres de ser acompanhada por uma doula pelo seu parto, o que inclui uma presença constante do inicio da gravidez até na delicada fase do pos- parto e os primeiros meses de maternidade. Em particular Gabriela nos acompanhou em duas cidades diferentes: Lisboa pela preparação e Povoa de Varzim para o parto e pós-parto.
Gabriela é uma doula experiente e antes de todo uma mulher observadora, discreta e sensível. Deu-me um apoio tanto físico quanto psicológico que me ajudou a ter uma atitude ativa e confiante durante o momento do trabalho. O parto sem ela teria sido completamente diferente para mim e o meu companheiro, foi ela a acompanhar-me ao hospital depois do arrebentar das aguas e ela que velou ao meu bem estar durante as horas de trabalho; ela que sugeria as pausas para o meu companheiro e ela que apoiou-me na maneira mais certa durante os momentos mais difíceis do parto. Depois de três dias de recovero no hospital, foi a Gabriela que em fim nos levou em casa, os três.
E durante os primeiros dias senti-me livre de liga-la e pedir a sua presença, para ter ajuda na amamentação e ter um apoio para mim: uma sopa quente, uma massagem com óleo....
O nosso último encontro foi na nossa casa em Lisboa, após três meses do parto.Gabriela sugeriu de fazer um ritual de fechamento da fase de pós parto, "O fechamento dos ossos". É um momento muito especial e simbólico de volta á vida e ao corpo de mulher. Através deste ritual em que a mãe recebe uma massagem, toma um banho em ervas aromáticas, se faz enrolar em cobertores e aplicar um pano para fechar os ossos, a nova mãe toma consciência da conclusão de um momento de abertura do corpo para dar a luz. Foi realmente um momento simbólico íntimo e importante.

Elena

Eu tive o prazer de receber o ritual pós-parto com o acompanhamento de Gabriela três meses depois do parto. Foi para mim um período bastante emocional e desequilibrado e então o ritual ajudou-me a focar um momento em mim própria e reconhecer e nutrir as minhas necessidades de apoio e carrinho.
Através do calor e da companhia das mulheres, re-vivenciei o parto da minha filha e de facto também do meu filho maior e consegui deixar ir antigos traumas e acariciar a minha criança interna...
Senti-me muito mais forte, menos sensível e mais completa depois do ritual, que tem sido uma carga de energia positiva para mim. Recomendo!

Nadja

Ter a Gabriela ao nosso lado no processo de nascimento do Gabriel foi essencial e ajudou-nos muito. Devido á sua sensibilidade e sabedoria pudemos ficar mais descansados e com maior certezas que tudo ia correr bem. Ter um parto em casa é algo muito forte nos dias que correm pois fomos habituados a crer que os bebes são para nascer no hospital. Hoje dou graças pelo Gabriel ter nascido em casa rodeado de pessoas sabias. Recomendo a doula Gabriela a todos pois é sem duvida uma grande mais valia no processo de nascimento

Tomás

Passados 8 anos de um parto traumático, em partilha com a amiga e doula Gabriela, resolvi fazer uma cerimónia de pós-parto segundo a sua sugestão. Entregar-me a esse espaço aberto de cuidado, escuta e tanto carinho, permitiu-me derramar um bálsamo sobre memórias dolorosas e difíceis e poder libertar energia estancada. Foi também muito importante ter a presença atenta e atenciosa de uma amiga, pelos cantos, pelos chás, incensos e tanto carinho. Estou infinitamente grata à Gabriela por toda a confiança, respeito, paciência e acompanhamento dedicado.
Sinto este ser um ritual muito sanador e celebrativo do corpo da mulher renascendo na maternidade. Em família, em tribo, em comunidade, entre mulheres. Gratidão.

Rita